segunda-feira, junho 13, 2011

Rosi Campos




Rosi Campos, uma das grandes atrizes do teatro, do cinema e da televisão. Formada em jornalismo pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA). Nasceu na cidade de Bragança Paulista SP em 30 de março de 1956. Atuou por cinco anos como assessora de imprensa da SOM LIVRE e então decidiu abandonar as redações para seguir carreira como atriz. E são mais de 35 anos de carreira. Durante os estudos na ECA participou de um grupo chamado GETECA, onde fez alguns espetáculos. Logo depois, entrou para o “Mambembe” onde ficou cinco anos. Entre 1985 e 1990 participou do grupo de Teatro do Ornitorrinco. Em 1989 criou o Circo Grafitti que trabalha com comédia e musicais. O grupo estreou com o espetáculo: “Você Vai Ver o que Você Vai Ver” baseado no livro ‘Exercícios de Estilo’ de Raymond Queneau, o espetáculo fez temporada em São Paulo, Espanha e Colômbia e participou dos Festivais de Teatro de Cádiz e Bogotá, recebeu 17 prêmios e lançou o grupo e também o diretor Gabriel Villela para a fama. Desde esse período estavam na formação do núcleo: Rosi Campos, Gerson de Abreu e Helen Helena, e o diretor e pianista Pedro Paulo Bogossian, e estiveram na peça: “Almaque Brasil”, “Gato Preto” e “Alô Alô Terezinha” no elenco minha amiga Cléo Antunes...
...
Rosi esteve nos últimos anos com a peça: “Ela Pensa Que é Normal” e foi indicada ao Prêmio de melhor atriz pela Associação dos Produtores de Espetáculos Teatrais do Estado de São Paulo e “Fantasia de Fedra Furor”. Com direção de Miguel Falabella esteve em cartaz com o espetáculo: “As Sereias da Zona Sul” e já com Cacá Rosset a peça: “Ubu Phobias Phísicas Pataphísicas e Musicaes”. E em 2007 a peça: “Mãos ao Alto, São Paulo” onde estive na estréia no Teatro Cultura Artística (O mesmo que pegou fogo em 2008).
Em 2010 sua belíssima voz foi emprestada para o espetáculo: “Salomé & Yocanaãn”, texto de Lell Trevisan (eu) com Arthur Lemos e Lell Trevisan e direção de Ailton Amaral peça anfitriã da VII Mostra Rio-São Paulo de Teatro de Rua – Mangaratiba RJ, onde tivemos esta honra da participação em áudio da atriz Rosi Campos. Dirigiu a peça: “Sexo Ainda Sinto”. E esteve em cartaz com a peça: “Estrela de Belém” com texto e música de Pedro Paulo Bogossian com a maravilhosa atriz Nilcéia Vicente com quem tive o prazer de dividir o palco há alguns anos na peça: “O Velho da Horta” de Gil Vicente.
Rosi é daquelas atrizes que não precisam de luz, ela brilha, por que seu talento é gigantesco, do seu olhar vemos “ARTE”, basta abrir seus lábios, e ela consegue calar a multidão, chama atenção com sua presença extraordinária. Por isso que Rosi Campos é uma das poucas Damas do Teatro Brasileiro.
No cinema fez: “Arrepio” (1987), “A Caixinha do Amor”, “A Mulher do Atirador de Facas”, “Dov’è Meneghetti?”, “A Princesa Radar”, “Amor!”, “Flores Ímpares”, “Ed Mort”, “O Cineasta da Selva”, “Pixaim”, “Castelo Rá-Tim-Bum” (1999), Avassaladoras” (2002), “Tapete Vermelho” (2006), “O Menino da Porteira” (2009) e “Chico Xavier” em 2010.
Rosi Campos também se dedicou muito à televisão. Iniciou em 1973 na Rede Globo em “Cavalo de Aço” e em 1976 trabalhou em “Casarão”, em seguida “Chega Mais”, “Transas e Caretas” e em 1986: “Roda de Fogo”. Passou a trabalhar no SBT em 1990 em “Brasileiras e Brasileiros” e logo depois fez “Éramos Seis” em 1994, e no mesmo ano foi para a TV Cultura apresentar “Telecurso 2000” e ficou conhecida por todo Brasil em “Castelo Rá-Tim-Bum” na mesma emissora. Em 1995 a atriz voltou para a Rede Globo e fez diversas novelas: “Cara e Coroa”, “Salsa e Merengue”, “Meu Bem Querer”, “Corpo Dourado”, “Vila Madalena”, “Desejo de Mulher”, “América”, “O Profeta”, “A Favorita”, “Cama de Gato” os seriados: “Hilda Furacão” e “A Casa das Sete Mulheres” , a série: “As Cariocas” e “Chico Xavier” em 2011 e a novela “Insensato Coração”.
(Fotos de divulgação tiradas na internet // Diversas fontes para a escrita deste artigo)

Por Lell Trevisan
Abaixo um trailer da peça: "Salomé & Yocanaãn"