terça-feira, março 18, 2014

Jô Soares, Cássio Scapin e grande elenco, estiveram na tarde de quinta-feira (29) para coletiva da peça: O Libertino de Eric- Emmanuel Schmitt, um dos maiores nomes da dramaturgia contemporânea, que se inspirou no filósofo francês Diderot (1713 – 1784) para compor essa comédia que oferece, de maneira não acadêmica, divertida e envolvente introdução ao pensamento filosófico, que fica em cartaz à partir de 13/10 no Teatro Cultura Artística Itaim.

Jô Soares disse na coletiva que “todo ator tem que ser um pouco comediante” e afirma que Cássio Scapin faz esse papel na peça de maneira grandiosa.“Diderot, com sua vida peculiar, não levava a sério a si mesmo, por isso questões morais são abordadas no texto por meio de um humor inteligente”, afirma o apresentador. “A peça é "divertida e envolvente" além de ser uma introdução ao pensamento filosófico. Todo humor é com inteligência. O humor sem inteligência é humor sem graça" completa Jô Soares, que, assim que leu o texto ficou logo atraído pela riqueza dos personagens. "E gente, ele vai mostrar a bunda. Se eu fosse homossexual eu não largaria do pé dele. Acho que ele só pegou essa peça pra mostrar a bunda" brinca o diretor, bem humorado.

A adaptação de Jô Soares mantém os diálogos elaborados com as mesmas ação e fluidez presentes na obra, apresentando questões relevantes como: conduta moral, ética, sexo, amor, relações de poder. O texto nos permite divagar divertidamente por essas questões.

Essa comédia preenche uma lacuna onde humor e informação, diversão e cultura se encontram em uma obra que não se destina ao simples entretenimento. Retoma uma das funções da comédia, que é fazer pensar e discutir a condição do homem frente às questões morais e éticas da sociedade onde se encontra inserido!

A idéia de produzir esta peça, veio de Cássio Scapin, que assistiu uma leitura de “O Libertino” em Paris em 2008 – “Eu estava em Paris, eu fui assistir uma leitura de um amigo meu que falou, “ ah to com a leitura de um texto ai, se você se interessar...” sempre, mesmo a passeio eu aproveito para trabalhar um pouquinho, para ver coisas, para estar informado, eu fui ver essa leitura e adorei,adorei o texto, e falei: “é uma boa coisa para eu fazer, um ator da minha idade, a questão é interessante, eu acho que vai ser uma coisa muito boa, uma comedia de costumes contemporâneos”. É um autor contemporâneo apesar da comédia ser situada no século XVIII, então eu trouxe o texto pra são Paulo, comprei os direitos, entrei em contato com a Fernanda Signorini, a gente se associou nessa produção, convidamos o Jô, e o Jô prontamente aceitou , adorou o texto, foi uma felicidade para gente o Jô Soares ter topado fazer o espetáculo e agora a gente está aqui prestes a abrir a cortina.” Disse o ator Cássio Scapin em entrevista à Lell Trevisan.

Em O Libertino, Denis Diderot, um dos ícones do pensamento na França do século XVIII, se retira para descanso num castelo na área rural de Paris, onde de urgência é solicitado para que escreva o verbete: Moral, para “A Enciclopédia”, obra que já vem se dedicando há muito tempo.

Além da divertida manipulação de conceitos e ideias, na peça vê-se outra característica importante da personalidade do filósofo: sua atração pelas mulheres.

Segundo Eric-Emmanuel Schmitt, O Libertino é a mais alegre de suas peças. “Um texto escrito numa primavera para celebrar a primavera”. Seu personagem principal, o filósofo Denis Diderot, que viveu de 1713 a 1784, é considerado, junto com Voltaire, um dos intelectuais precursores da Revolução Francesa. Muitos o julgam pioneiro da filosofia anarquista, devido ao seu pensamento de desprezo sobre a nobreza e o clero.













Por Lell Trevisan


Pesquisa e Imagens: Arthur Lemos
Produção de Reportagem: Athus Studio
Para: Jornal Folha Noroeste e Blog Arte e Cultura



SERVIÇO:


Teatro Cultura Artística Itaim (303 lugares)


Av. Presidente Juscelino Kubitschek, 1830 - Itaim
Televendas - 3258-3344 www.culturaartistica.com.br





Quinta e sábado às 21h. Sexta às 21h30. Domingo às 18h

Ingressos: Quinta R$ 40. Sexta e domingo R$ 50. Sábado R$ 60






Duração: 90 minutos


Recomendação: 16 anos






Estreia dia 13 de outubro





Ficha Técnica:

Autor – Eric Emmanuel Schmitt


Tradução – Aline Meyer


Adaptação e direção geral – Jô Soares






Elenco: Cassio Scapin, Luciana Carnieli, Luiza Lemmertz, Tânia Casttello, Erica Montanheiro e Daniel WarrenIluminação – Maneco Quinderé




Figurinos – Fabio Namatame


Cenários – Chris Aizner


Música Original : Eduardo Queiroz


Direção de Produção – Fernanda Signorini


Fotos: Jairo Goldflus


Programação Visual: Denise Bacelar

Realização Cassio Scapin e Fernanda Signorini






Patrocínio: MAN Latin America, fabricante dos caminhões e ônibus da marca Volkswagen, Telefônica e Correios. Ministério da Cultura.


Projeto realizado com Apoio do Governo de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura – Programa de Ação Cultural de 2011