sábado, junho 07, 2014

Tombamento do Centro Internacional de Teatro Ecum


O edifício teatral localizado na Rua da Consolação deve ser preservado como bem cultural por ser um espaço singular e estratégico na cidade de São Paulo para a difusão e fruição do teatro independente dos grupos e companhias de teatro da cidade.

O Centro Internacional de Teatro Ecum (CIT-Ecum), é uma nova instituição artístico-pedagógica, resultado da transferência e ampliação do projeto Ecum – Encontro Mundial das Artes Cênicas, da cidade de Belo Horizonte para a cidade de São Paulo, trazendo suas duas ramificações principais: Ecum Fórume Ecum Centro Internacional de Pesquisa sobre a Formação em Artes Cênicas.

Desde a sua criação no ano de 1998, a principal ação do projeto Ecum tem sido a realização do Ecum Fórum, um encontro internacional bienal de artes cênicas, composto de workshops, conferências, demonstrações de trabalhos, exposições e apresentação deespetáculos. Os temas que pautaram as sete edições do Ecum Fórum (“Encontro Mundial de Artes Cênicas” (1998), “Encontro Mundial de Artes Cênicas” (2000), “Oriente/Ocidente” (2002), “Os Mestres na Tradição e na Contemporaneidade” (2004), “O Teatro em Tempos de Guerra” (2006), “Cena Emergente: Diálogos com o Futuro” (2008), “Teatros da Radicalidade” (2011) e “Tradição e Contemporaneidade: Polifonia e dissonâncias” (2013)), foram sempre abordados por um viés transversal e geraram territórios renovados para que os participantes pudessem projetar questões sobre o seu próprio fazer.

Em diálogo com centros internacionais de criação e com o universo acadêmico, a curadoria de cada uma dessas edições esteve a cargo de equipes escolhidas pelo alto nível de conhecimento e pela dedicação à transmissão dos saberes. Dessa multiplicidade de encontros, surgiu uma extensa rede de trocas entre os participantes – curadores, artistas, estudantes, teóricos – o que, por sua vez, consolidou a criação de um programa de ações continuadas.

Assim, quando completou 10 anos, o projeto Ecum desdobrou-se numa nova vertente: o Centro Internacional de Pesquisa sobre a Formação em Artes Cênicas. Com objetivo de estabelecer uma cartografia das questões relativas à pedagogia teatral e aprofundar o intercâmbio no âmbito da formação e da pesquisa em artes cênicas, o projeto realizou, a partir de 2009, uma série de edições voltadas para diferentes tradições pedagógicas internacionais. Nesse mapa, o projeto deu foco às pedagogias das escolas; francesa (2009), russa (2010) e latino-americana (2011). Através dessas experiências, o Centro de Pesquisa sobre a Formação em Artes Cênicas firmou sua identidade como lugar privilegiado da oralidade, da relação direta com o mestre, pautada pela presença e pela palavra. Uma prática calcada mais no atrito que no consenso, um laboratório onde se investiga os percursos e os sentidos da criação artística.

A partir da verticalização das trocas geradas pelas duas vertentes do projetoEcum – o Ecum Fórum e o Centro de Pesquisa sobre a Formação em Artes Cênicas – surgiu, então, o Centro Internacional de Teatro Ecum (CIT-Ecum). A nova etapa só foi possível graças ao convite feito pela Companhia da Memória para a transferência do Ecum para São Paulo. Nesse contexto, a equipe ganhou novos colaboradores: o diretor artístico-pedagógico, Ruy Cortez; o diretor executivo, Rafael Steinhauser e a diretora de produção e administradora, Érica Teodoro. Sob a direção geral de Guilherme Marques, parceiros de longa data do projeto como Antonio Araújo, Maria Thaís, Ana Teixeira e Fernando Mencarelli passaram a integrar a equipe permanente de diretores e consultores do CIT-Ecum, ao lado de uma experiente equipe de assessores.

Após uma ampla reestruturação física do antigo Teatro Coletivo, que abarcou três reformas do mesmo espaço (dezembro de 2011, julho de 2012 e janeiro de 2013), num investimento total de 250.000 reais, o CIT-Ecum abriu suas portas, para a cidade de São Paulo no dia 15 de fevereiro de 2013. Desejo antigo dos realizadores, a existência de uma sede física radicalizou a realização de ações continuadas no campo artístico-pedagógico.

No edifício teatral localizado na Rua da Consolação, o CIT-Ecum inaugurou um terceiro núcleo de atividades que simbolizou sua primeira ação na cidade de São Paulo: a criação de uma agenda teatral permanente em sua sede, com uma programação intensa de espetáculos teatrais, locais e nacionais, escolhidos pela excelência artística e trajetória relevante. Compuseram a programação, que compreende o período de 15 de fevereiro de 2013 a 01 de junho de 2014, 96 espetáculos (entre dança, performance, teatro e música), de 80 companhias oriundas de diversos estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Mato Grosso do Sul, Ceará, Paraná) e seis países (Argentina, Brasil, Colômbia, Chile, Espanha e Portugal), com uma estimativa total de público pagante de 30.000 espectadores. Em menos de um ano de atuação na cidade de São Paulo, o CIT-Ecum conquistou o respaldo não só do público, como também da crítica especializada, ao ser indicado ao Prêmio Shell 2013 na categoria Inovação, pela realização plural de seu projeto artístico-pedagógico e ao Prêmio Aplauso Brasil 2013 na categoria Destaque, por sua programação artística de espetáculos.

Em setembro de 2013, o CIT-Ecum realizou pela primeira vez em sede própria, a sétima edição do Fórum Ecum, marcando assim tanto a consolidação do que foi estruturado nesses 15 anos, quanto o pontapé inicial das ações pedagógicas do CIT-Ecum.

Ainda em março de 2014, o CIT-Ecum correalizou a primeira edição da 1ª Mostra Internacional de Teatro de São Paulo – MITsp, que ocupou diversos teatros na cidade com uma programação totalmente gratuita e que incluiu apresentação de espetáculos internacionais, diálogos críticos, fórum de encontros e espaço para intercâmbio artístico.

Desde sua primeira edição, em 1998, na cidade de Belo Horizonte, o projetoEcum trouxe como princípio e particularidade a relação indissociável entre reflexão e prática criativa. Outras importantes características foram, a afirmação da pluralidade de olhares sobre as artes cênicas e a dimensão internacional, transdisciplinar e transcultural de suas ações. Traços que conferiram identidade própria ao projeto.

Nesse diálogo com a cidade de São Paulo, a perspectiva é de que o projeto possa contribuir para um desenvolvimento ainda maior desse eixo cultural já bastante consolidado, seja a partir da experiência compartilhada na diversidade dos modos de ser e fazer nas artes da cena, seja na relação com o resto do país e outras partes do mundo.

No decorrer dos seus 15 anos, o projeto Ecum buscou deixar como legado para as cidades em que foi realizado – Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, entre outras – o amadurecimento da reflexão sobre a prática, a partir do contato com diferentes visões e perspectivas sobre as artes cênicas. Ao viabilizar trocas diretas e, muitas vezes, inéditas entre artistas, pesquisadores, professores, estudantes e interessados nos diversos campos de criação das artes cênicas, oEcum pretendeu contribuir para o conhecimento e revitalização da cena local e nacional.

ECUM - conhecimento e práticas partilhadas, resistência e força do ofício Teatro, que se mantém vivo e potente, dinâmico e desafiador, aberto e aglutinador, sabendo que a arte é sempre “uma altura a atingir” (Antonin Artaud).

ECUM – ECOS – força multiplicadora, País sem fronteiras, expansão, rede, conexões, transdisciplinar, tessitura participativa em processo aberto de feituras, desdobrando-se em múltiplas e potenciais formas de criação, arte, teatro.