quinta-feira, julho 03, 2014

50 Tons de Cinza por Kary Kiss


Quando se trata de Best-sellers eu reluto um pouco para ler. Torna-se uma febre tamanha, na qual onde você olha ao redor você observa pessoas lendo, comentando, devorando tais obras. Os mesmos leitores que em outras circunstancias nem sequer abririam um livro, mas o fazem por moda. Terminei de ler a primeira obra desta trilogia, em parte pela curiosidade, em parte porque em breve sairá o filme e quero fazer os comparativos.

Sobre os "50 tons de cinza" posso dizer que ficaria em 9 lugar da minha lista de leitura. Trilogias, livros seqüenciais etc, são legais quando a história te prende ao próximo motivado pela curiosidade de saber mais, o que não acontece uma vez que ele acaba de um modo não conclusivo sobre o clímax do primeiro conflito.
Ouvi o relato de amigas e conhecidos ou até acompanhando comentários furtivos de quem o leu frases como "quero um homem como o Gray na minha vida" , "porque isso sim é o que toda mulher sonha", " porque estou subindo pelas paredes ao ler"

Vamos lá, sem ofensas as que se encaixam nas frases acima, mas minha amiga se você está subindo pelas paredes ao ler o livro é sinal que nunca teve um homem viril ao seu lado.

Estragando a surpresa de quem for ler o livro ou não, como mulher despida de preconceitos não acho que é desejo em comum de todas nós uma relação sexual baseada na submissão, seja ela no ato masoquista-sádico ou no simples fato de abaixarmos a cabeça e dizer sim senhor ao nosso feitor.

Espera ai? Estamos realmente no século XXI ou regredimos a época das cavernas onde éramos carregadas ao ato sexual sendo puxadas pelo cabelo como retratam nossos historiadores.Ou tendo nosso órgão sexual costurado, queimado ou acoitado como na idade média, ou mais recente como em segundo lugar para tudo sem liberdade de expressão, palavra ou atitude como o que anteviu a revolução feminista .Entendo que tem muitos que curtem esse tipo de fantasia sexual, eu mesmo já experimentei devido a pedidos de um ex namorado que fiquem com inveja ou raiva, era tudo o que o Gray, era e muito mais.

Ainda não li os demais livros, mas com base pessoal assim como no caso da Anastácia já vos digo: não deu certo Porque sempre queremos mais!

E não é errado isso, ou será que a maioria vai achar que é mais válido abaixar a cabeça em troca de um bom sexo, do que impor limites e buscar um pouco de no mínimo respeito?

Pode até ser um ótimo livro, infelizmente só é um Best Seller devido aos dígitos bancários que o levaram a tal, mas acho irônico e até um pouco hipócrita que a maioria das mulheres erguem bandeiras em prol da Lei Maria da Penha, mas se deliciou ao ler o livro e ao se imaginar na pele da Protagonista.

Se você procura por romance, até o encontra, veja bem se sua definição de romance for uma mulher sofrer, chorar, tolerar tudo por um amor que nem tem certeza que dará certo.Ou se sua definição de amor seja um Gray, que apesar de seus impulsos nada convencionais ama a maneira dele sua submissa. Mas pergunte no seu âmago se amar é isso mesmo e tenho certeza que encontrará 50 bons motivos para não ler esse livro.