sexta-feira, julho 04, 2014

O Albergue - Resenha







Em época de férias de meio do ano em geral curtas e em clima de inverno, é comum termos jovens a procura de pequenos albergues para hospedagem.São baratos, práticos, o lugar ideal para a curtição e paquera.Afinal, quem nunca teve um romance de praia ou de serra não sabe o que é curtir férias sem os pais.

Baseado nisso, assisti ao filme " O Albergue" terror carregado na carnificina , em um misto sádico de Jogos Mortais com o terror B de O Massacre da Serra elétrica no qual um açougueiro esquartejava as vitimas por béu prazer. 

Mas o que tem ocorrido em muitos filmes de terror B, além do sangue em excesso e sexo , porque sabe se lá por qual cargas d 'águas acham sexy mulheres nuas em meio ao sangue, é que agora estes filmes fazem você refletir que um dia isso pode acontecer.

Filmes B, são aqueles no qual o custo de produção é super baixo, o enfoque é no sangue e quantia de corpos espalhados e sobretudo nas clássicas e estúpidas cenas na qual a vitima tem duas portas para fugir para a rua mas decide subir para o ultimo cômodo no terceiro andar e aguardar o killer.

Veja bem, Jason é um típico filme B, mas convenhamos que é humanamente impossível alguém retornar do fundo do lodo após anos de desaparecimento e começar a matar um a um que passe por seu caminho.O albergue infelizmente nos mostra que o ser humano sim, é capaz de usar desses artifícios horrendos na realidade.

O primeiro filme da trilogia, mostra três amigos mochileiros que saem em viagem na Europa em um país que o filme demonstra ser a Eslovênia, por motivos óbvios já que na época do lançamento existia uma guerra interna de território, e que o filme não mostra mas é claro para os entendidos de história política uma metalinguagem nazista.Fascinados com a beleza e oferta sexual feminina do lugar, se deixam envolver ao ponto de serem dopados e somem pouco a pouco restando apenas um.
O sumiço se da por conta de um magnata ex médico frustrado, que tem escondido em uma empresa em ruínas de fachada, nada mais nada menos que um batedouro humano.Foices, instrumentos cirúrgicos, mordaças, maçaricos e fornalhas para sadicamente exterminar as raças: americanas, espanhola e latina com pretensos valores.

E pasmem, todos em um ritual de jogatina de apostadores.
Tem filmes de terror que são um lixo mesmo, mas esse se você se der conta, nos faz refletir que o ser humano ávido pelo poder, pela disputa religiosa, patrícia ou simplesmente pelo entretenimento é sim capaz disso.

Ainda não acredita?Então pare para pensar no porque existe uma lista infinita de estrangeiros desaparecidos e nas matérias sobre trafico de órgãos, é impossível que você acredite mesmo que todos os órgãos traficados seja para salvar a vida de alguém.

A diferença se dá por conta dos cenários e situações, bem, na verdade as situações são as mesmas, álcool, sexo e voilà carnificina.

Se pretende assistir ainda um ou os três filmes, tente enxerga-lo além das imagens.