sexta-feira, outubro 10, 2014

Frida Y Diego



O texto inédito de Maria Adelaide Amaral traz para o palco do Teatro Raul Cortez a complexa relação entre dois grandes nomes da história da arte mexicana na década de 30: Frida Kahlo ( Leona Cavalli) e Diego Rivera (José Rubens Chachá).

Frida Kahlo e Diego Rivera viveram uma relação conturbada e influenciaram gerações de artistas plásticos na América Latina e no mundo.

Na trama, a autora mostra o reencontro dos dois artistas, após traumática separação. Eles residem em casa vizinhas e Frida já está bastante doente e com muitas dores.

Diego e Frida viveram momentos de paixão e cumplicidade, mesmo com dramas, rupturas e reconciliações. A relação entre eles era de liberdade e amor incondicional.

O texto é inédito e foi escrito a pedido do diretor Eduardo Figueiredo e do diretor de produção do espetáculo, o ator Maurício Machado, em 2013. “Eu sempre tive fascínio por Frida e Diego. Vi algumas exposições dela por esse mundo afora e quando fui ao México conheci pessoalmente a obra de Diego. Estive na Casa Azul duas vezes e visitei a casa deles em San Angel. Isso alguns meses antes do Eduardo e do Maurício me encomendarem a peça”. Conta a autora, que estudou a vida da dupla de artistas para escrever o texto, sobretudo nos livros sobre Diego e Frida.

A direção de Eduardo Figueiredo está focada na interpretação dos atores e na dramaturgia, “esse espetáculo é dos atores, nós só vamos preparar a cama para eles se divertirem”, diz o diretor.

O objetivo do diretor é falar da humanidade presente destes dois grandes artistas, além de suscitar reflexões sobre temas contemporâneos como traição e lealdade.

A música ao vivo merece destaque: dois músicos tocam acordeon e baixo. “Para mim é fundamental que uma peça como esta tenha músicos em cena, o próprio Diego Rivera era um grande festeiro e a música aqui reforça a passionalidade da relação deles. Pretendo”, comenta o diretor.

Para o ator José Rubens Chacha, que completa 40 anos de carreira este trabalho foi melhor presente que poderia receber. ¨Eu tenho fascínio muito grande por personagens reais. Quando completei 30 anos de carreira a Maria Adelaide me convidou para viver Oswald de Andrade no espetáculo “Tarsila”, também de sua autoria. Desta vez, o presente me surpreendeu ainda mais. Considero Oswald e Diego dois antropofágicos em suas artes tão diversas”, afirma o ator.

Para a atriz Leona Cavalli, Frida foi era uma mulher avançada tanto no trabalho quanto na vida pessoal: ¨Ela teve a coragem de fazer da sua existência uma obra de arte e fez isso com extrema inteligência, indo muito além da sua dor. É um privilégio trazer para a cena a humanidade dela, o texto da Maria Adelaide coloca a matéria prima da arte da Frida na dramaturgia, ou seja, a sua vida. Muitas coisas que estão escritas na peça foram ditas pela artista.” Conta a atriz.

Um pouco da história de Frida e Diego

Frida Kahlo foi uma artista única, para muitos é considerada a pintora do século. Em 1913, com seis anos, Frida contraiu poliomelite, a primeira de uma série de doenças, acidentes, lesões e operações que sofreu ao longo da vida. Apesar de seu pouco tempo de vida, deixou obras magníficas e intrigantes que influenciam o mundo das artes até hoje. Sua trajetória também é tida como uma obra instigante e com grande poder de chamar atenção.

Diego estudou pintura na adolescência, participou da Academia de San Pedro Alvez, na Cidade do México, partindo para a Europa, beneficiado por uma bolsa de estudos, onde ficou de 1907 até 1921. Teve contacto com vários pintores da época, como Pablo Picasso, Salvador Dalí, Juan Miró e o arquiteto catalão Antoni Gaudí, que influenciaram a sua obra. Acreditava que somente o mural poderia redimir artisticamente um povo que esquecera a grandeza de sua civilização pré-colombiana durante séculos de opressão.

Em 1929, Frida e Diego se casam. Ela com 22 anos e ele com 43, era o terceiro casamento de Diego. Viveram uma relação muito conturbada, por conta de casos extraconjugais de ambos, de suas personalidades fortes e de suas convicções artísticas e políticas.

Após um tempo separados, Frida e Rivera se reconciliaram. Os dois moraram em casas vizinhas conectadas por um corredor até a morte de Frida em 1954, aos 47 anos. A Casa Azul, como ficou conhecida, abriga hoje o Museu Frida Kahlo, e conserva cartas de amor trocadas pelo casal e diversos objetos do cotidiano dos dois.

Leia mais matérias de NANDA ROVERE

Ficha Técnica: Texto: Maria Adelaide Amaral.

Direção: Eduardo Figueiredo.

Elenco: Leona Cavalli e José Rubens Chácha.

Direção musical e trilha: Guga Stroeter e Matias Capovilla.

Músicos convidados: Wilson Feitosa Jr. (acordeon) e Arthur Decloedt (baixo acústico)

Direção de arte – cenografia, figurinos e adereços: Marcio Vinicius.

Visagismo: Anderson Bueno.

Desenho de luz: Guilherme Bonfanti.

Assistência de direção: Alex Bartelli.

Direção de movimento: Renata Brás.

Estágio de direção: Eric Mourão.

Programação visual: Vitor Vieira.

Projeto de vídeo e projeções: Jonas Golfeto. Fotos de divulgação: Gabriel Wickbold.

Fotos de cena: Lenise Pinheiro.

Assessoria de Imprensa: Pombo Correio.

Produção executiva: Ton Miranda

Gerência de produção: Bia Izar.

Direção de produção: Maurício Machado.

Realização e produção: manhas & manias eventos.


Serviço Frida Y Diego de Maria Adelaide Amaral Teatro Raul Cortez – Rua Plínio Barreto, 285 – Bela Vista – tel: (11) 3254-1631 Temporada: de 11 de outubro a 14 de dezembro de 2014. Sextas às 21h30, sábados às 21h e domingos às 19h. Ingressos: R$ 60,00 (sextas-feiras), R$ 80,00 (sábados) e R$ 70,00 (domingos) Direção: Eduardo Figueiredo. Elenco: Leona Cavalli e José Rubens Chachá. Duração: 90 minutos. Classificação indicativa: 12 anos. aceitamos todos os cartões de crédito e débito. Estacionamento no local.Bilheteria: Terça a quarta das 14h às 20h Quinta a domingo das 14h até o início do espetáculo. Lotação. 513 pessoas. www.ingressorapido.com.br /(11) 4003 1212