sexta-feira, novembro 14, 2014

Grupo Arteatro ministra curso de teatro com máscaras em Paraty


Dica de NANDA ROVERE

O CURSO SERÁ NO CENTRO EXPERIMENTAL DE CULTURA (antigo cinema da Praça da Matriz)

O Grupo Arteatro convida para sua nova oficina! A Secretaria de Cultura da @prefeitura de Paraty abriu Espaço para Experimentação e Arte! INSCRIÇÕES: As inscrições para o curso podem ser feitas no dia do início das aulas! Próxima segunda-feira - 19 horas - No Centro Experimental de Cultura (antigo cinema da praça da Matriz).

Uma oportunidade ímpar para conhecer o universo do uso das máscaras e confeccioná-las com o grupo responsável pela manutenção da tradição em Paraty.

Sobre a tradição das máscaras

O homem, por vários motivos, começa a utilizar-se de máscaras ainda em épocas pré-históricas e a mesma, como elemento cênico, surge no teatro grego por volta do século V a.C. O símbolo do teatro, as duas máscaras, como hoje é conhecido, trata-se de uma alusão aos dois principais gêneros da época: a tragédia e a comédia. A primeira tratava de temas referentes à natureza humana, bem como o controle dos deuses sobre o destino dos homens, enquanto a última funcionava como um instrumento de crítica à política e sociedade atenienses. Bastante diferente das máscaras cotidianas, que visam ocultar-nos, as máscaras teatrais tem como característica principal, revelar a essência, ou os traços mais marcantes de um personagem. Objeto de estudos artísticos, antropológicos e sociológicos, sua confecção e utilização teatral, amplia as possibilidades representativas de atores e alunos. (texto do grupo Moitará) Em Paraty, esta pequena cidade histórica e turística aqui no sul do estado do Rio de Janeiro, existe esta manifestação folclórica, que é a confecção e utilização de máscaras com técnica rústica de papier machê (papietagem) por ocasião do carnaval. Os grupos que fazem uso destas máscaras são conhecidos como "mascaradinhos" e apresentam-se na cidade, curiosamente, no período compreendido entre o dia de Reis e véspera de Carnaval, não apresentando-se nos dias de folia momesca. Estas máscaras, em princípio um brinquedo carnavalesco, que deve ter sua preservação assegurada, uma vez que percebemos estar em vias de extinção, têm uma característica psicológica muito marcante e peculiar, que as propicia para a utilização no teatro. Nestes últimos dezenove anos, estas máscaras vêm sendo pesquisadas e confeccionadas nos cursos e workshops ministrados na cidade de Paraty e utilizadas pelo GRVPO ARTEATRO em seus espetáculos e performances. Utilizá-las como proposta para uma iniciação ao fazer teatral à jovens e adultos, justifica este projeto. Objetivos: O workshop “Iniciação ao Teatro Utilizando as Máscaras da Cultura Popular Paratiense”

tem por objetivo transmitir ao aluno considerações gerais sobre como explorar a riqueza das características psicológicas encontradas nestas máscaras e deixá-lo livre pra brincar/experimentar as possibilidades cênicas dos personagens que elas propõe, sua utilização com o propósito teatral, sua inserção no contexto histórico-social do teatro e, naturalmente, fomentar medidas de preservação e resgate deste "brinquedo popular"(hábito que observamos estar em vias de extinção). Ao término do workshop, apresentação pública dos alunos em Performance dos Mascarados.

Programa: 1 – Breve histórico da utilização de máscaras pelo homem. (seu contexto ritualístico e teatral) 2 – A “máscara paratiense” sua confecção e utilização 2 – Exercícios de utilização das máscaras (respiração, movimentação) 3- Criação de personagens e cenas, utilizando técnicas dos métodos de Viola Spolin, Constantin Stanislavski e Leon Chancerrel 4 – Apresentação pública dos trabalhos realizados.

Leia mais matérias de NANDA ROVERE