sexta-feira, janeiro 09, 2015

Novo Ministro da Cultura

O Palácio do Planalto informou no dia 30, que o ministro da Cultura no segundo mandato da presidente Dilma Rousseff será o sociólogo Juca Ferreira. Ele ocupou a mesma pasta entre 2008 e 2010, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

A atual ministra da Cultura é Ana Cristina da Cunha Wanzeler, que desde novembro, após o pedido de demissão de Marta Suplicy, está no posto interinamente. No Facebook, Marta criticou a escolha de Ferreira.

Segundo informou o Blog da Cristiana Lôbo, o jornalista e escritor Fernando Morais chegou a ser cogitado para a Cultura, mas o PT defendeu a nomeação de Juca Ferreira, atual secretário municipal de Cultura da Prefeitura de São Paulo.

João Luiz Silva Ferreira, mais conhecido como Juca Ferreira (Salvador, 31 de janeiro de 1949) é um sociólogo e político brasileiro.

Juca Ferreira nasceu na Bahia, é sociólogo e dedicou sua trajetória profissional à vida política e às ações culturais e ambientais. Foi líder estudantil secundarista e, em 1968, chegou a ser eleito presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas(UBES), no dia em que foi decretado o AI-5 (que fechou a UBES entre outras deliberações).

Ingressou na resistência ao regime militar, passou nove anos exilado no Chile, na Suécia e na França. Estudou Línguas Latinas na Universidade de Estocolmo, na Suécia, e Ciências Sociais na Universidade Paris 1 - Sorbonne, na França, onde se formou.

De volta ao Brasil, trabalhou como assessor especial da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) e desenvolveu diversos projetos na área da Cultura.

No início dos anos 90, participou da construção de um dos primeiros projetos de arte-educação do Brasil, o Projeto Axé, voltado para crianças e adolescentes em situação de risco social. Ferreira incluiu a dimensão cultural nas ações socioeducativas do Axé, hoje considerada uma das mais importantes características do projeto.

Em 1981, começou sua atuação na área ambiental como militante em movimentos do setor e, em 88, filiou-se ao Partido Verde. Nos anos 90, foi secretário municipal de Meio Ambiente, em Salvador, e presidente da Associação Nacional de Municípios e Meio Ambiente (ANAMMA). Também participou da criação de um dos primeiros movimentos socioambientais da Bahia, o SOS Chapada Diamantina.

Durante cinco anos, participou como representante da sociedade civil da Agenda XXI Nacional e, no ano de 2004, integrou o grupo de elaboração da Agenda XXI da Cultura, em Barcelona, na Espanha.

De 93 a 97, desenvolveu uma das mais reconhecidas ações socioambientais da Bahia, o Jardim das Folhas Sagradas, projeto eco-antropológico com as comunidades dos terreiros de candomblé.

Foi vice-presidente da Fundação Movimento Onda Azul, cujo presidente era o músico Gilberto Gil. Foi eleito duas vezes vereador do município de Salvador, de 1993 a 1996 e de 2000 a 2004.

Durante sua última legislatura como vereador, em 2003, foi chamado pelo ministro Gilberto Gil a assumir o cargo de Secretário-Executivo do Ministério da Cultura, onde permaneceu durante os cinco anos e meio de gestão de Gilberto Gil, que pediu exoneração do cargo no final de julho de 2008 por motivos pessoais .

Em agosto do mesmo ano, foi convidado pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, a assumir o cargo de Ministro de Estado da Cultura, empossado no dia 28 de agosto. Ficou à frente do MinC até o final do Governo Lula.

Em 2011, coordenou, pela Secretaría Geral Ibero-Americana, a realização do Ano Internacional dos Afrodescendentes.

Atualmente, Juca Ferreira é Secretário de Cultura do Município de São Paulo da gestão de Fernando Haddad.